Papos de Laíza #01 - A mão está para a luva, a realidade, para o sonho



“[...] um conselho último, — último se me não consentir mais falar-lhe nisto; — eu creio que a senhora sonha talvez demais. Sonhará uns amores de romance, quase impossíveis? digo-lhe que faz mal, que é melhor, muito melhor contentar-se com a realidade; se ela não é brilhante como os sonhos, tem pelo menos a vantagem de existir.”
(A mão e a luva – Machado de Assis)

A mão e a luva, definitivamente, não é o melhor livro de Machado de Assis. Contudo, para inaugurar essa coluna, escolho um trecho dessa obra meio “água com açúcar”, meio “livro que a gente é obrigado a ler na escola” por causa dessa fala de que gosto tanto e que tem tudo a ver com minha filosofia de vida e com os leitores vorazes que, em algum momento da vida, já se flagraram desejando a vida dos livros e não a sua própria.

Trata-se de uma cena entre Guiomar, personagem principal do livro, e sua madrinha, Mrs. Oswald. Guiomar é uma jovem culta, bonita e fria, daquele tipo de garota de que os caras gostam por ser esnobe. Por isso mesmo, ela tem uma série de pretendentes, mas não se agrada de nenhum. Parece que ninguém está à sua altura. A madrinha, uma matriarca protestante que cuida de Guiomar depois que esta perde a mãe, tenta a todo custo empurrar um tal de Jorge para casar com a menina, e ela vive se esquivando.

É num desses momentos que a madrinha dá aquele conselho de gente mais velha, que já viveu o suficiente para saber que “a vida é um livro” é só uma metáfora. Na ficção, tudo é lindo: as pessoas se completam perfeitamente, as coisas se encaixam, e tudo caminha com lógica para um desfecho surpreendente. Assim, os livros levam a gente a querer mais da vida também: mais beleza, mais emoção, mais paixão, mais mágica. Mas a verdade é que não somos nós que devemos esperar essas coisas da vida. A vida real é que espera de nós muito mais. Mais vontade, mais atitudes, mais decisões, bem mais do que as palavras que a gente guarda pra dizer um dia e os sonhos que a gente espera que aconteçam só pelo fato da gente esperar por eles.

É verdade que você pode ser mais sensual que o Mr. Grey (50 tons de cinza) – você pode, com toda certeza –, mais misteriosa que a Capitu (Dom casmurro) – aí, já não sei –, mais corajosa que Katniss Everdeen (Jogos vorazes), mais fofo que o Charlie (As vantagens de ser invisível) só que, para isso, meu amigo, você precisa investir na realidade, e Machado de Assis é o tipo de autor que nos ensina a enxergá-la como realmente é.

Aos que se interessaram por A mão e a luva, o livro é curto e dá pra ler em um dia. A surpresa é que Guiomar, se mostra, sim, idealista e sonhadora, como Mrs. Oswald diz, mas, sua escolha no amor terá uma lógica bem intere$$ante, se é que vocês me entendem, rs.

Beijos, até semana que vem!

Laíza Verçosa


Por favor, compartilhe!

  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...

5 comentários :

  1. Oi Raimundo,
    Gostei das analogias que fizeste. Lembro desse livro do meu ensino médio realmente, onde somos obrigados a ler...rsrs...mas fiquei pensando no que você disse e realmente as vezes nós vemos nos livros ou tentando viver suas histórias mas se pararmos para pensar nossa própria vida é uma história de livro emocionante com um protagonista especial e exclusivo nós mesmos. Por isso é importante sempre viver intensamente cada dia como se fosse o único pelo menos essa é a filosofia que tento seguir.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    http://leiturakriativa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI, Raquel!

      O texto é realmente muito bom mas, não foi escrito por mim. É um texto da Laíza que semanalmente aparecerá por aqui.

      Continue acompanhando.

      Beijos!

      Excluir
    2. Raquel,
      que afável seu comentário!
      Justamente, se a vida é um livro, a nossa história tem que ser best-seller! Rsrsrs
      Beijinhos! Adoro os comentários :)

      Excluir
  2. Olá Laíza, ótimo texto.
    Não conheço o livro, só por nome. O trecho escolhido tem muito o que pensar. Realmente quando se lê tantos romances, histórias e personagens perfeitos, buscamos isso na realidade e acabamos perdendo muitas oportunidades por não ser como estávamos esperando.

    bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc entendeu bem, Adrielle!
      Agora é viver intensamente cada capítulo da vida!
      Beijinhos e continue comentando e até mandando sugestões ^^

      Excluir

Olá!

É sempre um prazer receber sua visita e comentário. Responderemos a sua mensagem logo que possível. Obrigado e Volte sempre! :D

Scroll to top