Resenha #15 - Will & Will - Um nome, um destino.

A História


Na história criada por John Green e David Levithan conhecemos dois garotos que tem o mesmo nome: Will Grayson.

O primeiro é um garoto "comum",  amigo de Tiny Cooper e defensor da ideia de que a melhor maneira de evitar problemas é fechando a boca.

"não, sua vida é essa mesma. e, sim, ela é uma merda. a vida costuma ser assim. portanto, se quer que as coisas mudem, não precisa trocar de vida. você precisa tirar a bunda da cadeira." (Pág: 81)

O segundo é um garoto depressivo e que não vê muito sentido na vida. Tudo piora, quando ele descobre que seu namorado virtual era na verdade sua amiga Maura.

Tudo muda quando os dois se conhecem e tem suas história cruzadas e destinos mudados.

Minha Leitura


Não é segredo pra ninguém que, embora as obras de John Green façam um estrondoso sucesso, a escrita, a história e o autor não fazem muito sucesso comigo. Foi a essa conclusão que cheguei através da leitura de "Quem é você, Alasca?" e "A Culpa é das estrelas". Mas essa resistência começa a mudar com a leitura de "Will & Will - Um nome, um destino".

"sabe de uma coisa? estou totalmente em paz com o fato de ser grande. e eu já era gay muito antes de saber o que era sexo. é assim que eu sou, e isso é ótimo, não quero ser magro nem convecionalmente bonito nem heterossexual nem brilhante. não, o que eu quero de verdade, e jamais consigo, é ser apreciado" (Pág: 277)

A parceria com David Levithan é muito válida em diversos aspectos. O primeiro é que a leitura cansativa do texto de Green se torna dinâmica quando varia com o texto de Levithan. Além disso, outro fator que contribui para que a história tenha funcionado, é a narração em diferentes pontos de vista. A cada capítulo, temos visões diferentes e narrativas diferentes, o que dinamiza a leitura e permite mudarmos também nossa visão da história.

As frases carregadas de John Green, digo carregadas, no sentido de serem extensas e confusas, combinam bem com a personagem criada pelo autor. E combinam ainda melhor, com as frases mais curtas,mas ainda assim inteligentes que fazem a escrita de David Levithan. E aqui, vale destacar o quanto o texto de David Levithan é libertador até mesmo no que se refere as convenções de escrita. No seu texto, frases não começam com letras maiúsculas e nem todas as vírgulas são necessárias.


Dos personagens, confesso que gostei bem mais do de David Levithan, que pelo que puder perceber é o segundo Will Grayson, o que é gay e depressivo. O personagem tem uma personalidade forte e bem característica, ele se deixa envolver e se permite sentir. Diferente do outro Will Grayson que prefere ficar calado para não arrumar confusão, demonstrando assim uma personalidade sem ação e chata.

"mas existe uma palavra, essa palavra que phil wrayson me ensinou uma vez: weltschmerz. é a depressão que você sente quando o mundo como é não se alinha com o mundo como você acha que devia ser. eu vivo em um grande e maldito oceano de weltschmerz, sabe? e o mesmo acontece com você. e com todo mundo." (Pág: 339)

No entanto, a mudança, evolução e progresso são mais perceptíveis no personagem de John Green. Ele vai se conhecendo aos poucos na história e finalmente se permite ser ele mesmo quando se ver apaixonado por Jane e quando entende verdadeiramente o valor da amizade.

Tiny Cooper é o responsável por toda a moral da história, e mais que isso é o responsável por cruzar o caminho dos dois Will Grayson e permite que eles se conheçam como são e se tornem pessoas melhores.



No geral, gostei da história e da forma natural com a qual o tema da homossexualidade é tratada. Como algo normal e comum que é. E é essa a principal lição que o livro nos deixa, que antes de sermos alguém que tenha um sexo e/ou uma preferência sexual definida, somos seres humanos, temos um coração e mais que isso, temos sentimentos.


Título: Will & Will: Um nome, um destino.

Autor: John Green e David Levithan.

Editora: Galera Record.

Páginas: 348.

Nota: 4/5

Por favor, compartilhe!

  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...

6 comentários :

  1. Que legal a história Raimundo!
    Estou louca p ler um livro deste tema, já li alguns que rata do tema mas não de uma forma central e tão natural quanto essa que vc descreveu ter no livro!
    Vou anotar na minha listinha p ler.
    Jura que não gostou muito de ACEDE?
    Bjos!

    www.leituravipblog.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii!

      É exatamente assim mesmo, tudo muito normal e natural. Acho que você vai gostar. Não gostei de ACEDE, de verdade!

      Beijos!

      Excluir
  2. Gostei muito desse livro, também, mas sou totalmente contrária a você, que diz que a escrita do David é libertadora e a do John muito carregada. Sou fã de uma escrita mais completa, como a do John, por isso a do David deixou a desejar, para mim. E esse Will do David é muito bobinho ao meu ver, um personagem pouco construído também.
    Ainda assim, a lição da estória não deixa de ser excelente!

    Love, Nina.
    ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nina!

      Cada um tem uma forma de enxergar e interpretar as coisas. As frases do John, que você considera completa, ao meu ver são extensas e trazem um plano de conteúdo carregado e que prejudica o plano da expressão e por conseguinte a leitura. Quanto a do David, não é uma comparação só uma alusão, vejo ele bem parecido com os Modernistas, que não se importam muito com as regras, apenas com a expressão, e aí o vejo como expressão da liberdade, tanto no plano do conteúdo, quanto no plano da expressão. De fato, gostei e me identifiquei bem mais com a personagem criada por ele. Como disse, o de John melhorou no final do livro, mas o início dele, ao meu ver, é chato e sem personalidade.

      Mas algo que não muda é o ensinamento que a obra nos traz.

      Beijos!

      Excluir
  3. Tô querendo ler esse livro já tem um tempo! Gosto muito do John Green e do David Levithan, como você não gostou muito do Green, vou recomendar Todo Dia e Garoto encontra garoto do David. Caso você não tenha lido vale a pena conferir.

    Parabéns pela resenha!

    http://joandersonoliveira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Joanderson!

      Obrigado por sua visita e comentário.

      Já li alguns do Jonh Green e nenhum deles gostei muito. Do David faz tempo que quero ler "Todo dia" e inclusive ele já foi adquirido e já está na lista de leituras. Então, logo logo você vai encontrá-lo aqui também!

      Mais uma vez, obrigado!

      Excluir

Olá!

É sempre um prazer receber sua visita e comentário. Responderemos a sua mensagem logo que possível. Obrigado e Volte sempre! :D

Scroll to top